domingo, novembro 22, 2009

500 dias com ela

by.Queiroz




Sobre muitos filmes é possível dizer: “Nossa, esse filme conseguiu captar a essência da alma feminina”. Pega a mesma frase e troca a última palavra por masculina, e o que temos? 500 dias com ela. Há equivocadas declarações que já teriam conseguido isso em outras obras de ficção (Alta cof!! cof!! cof!! ...delidade), não mesmo, botar uma mulher chorona 90 % de uma filme está longe de alguém ter a pretensão de entender o nosso lado. A vitimização da mulherada tem sido uma tecla batida, por filmes mulherzinhas ao longo da História cinematográfica. Pela 2.ª vez, vejo um filme que consegue ser sincero em relação ao tema. O 1.ª seria o brasileiro Apenas o Fim. Mas, mesmo o Apenas, não vai tão fundo na compreensão da mágoa que uma mulher pode causar a um homem ao medir delimitações ao relacionamento. “Olha, gostei de você, mas não quero nada sério”, nossa imagina um homem dizendo isso para uma mulher no início de uma relação? A resposta seria: “Cortei logo” ou “Que insensível!!”, mas mulher está tudo bem. Por outro lado é muita pretensão de um cara, achar que uma mulher fará exatamente o que ele imagina. A cena que dividiu a tela em expectativa e realidade foi o maior golaço marcado nesse filme. E enxergar no espelho o Han Solo após uma noite de amor com aquela gata foi também demais. A cena em que o casal brinca num bazar que tem duas cozinhas em casa, todo no gestual fingindo estar servindo comida e sendo servido, demonstra o quão talentosos são os protagonistas. Mas, como uma boa comida, preparada pela sua bela esposa, achei que Webb acabou exagerando no sal em certo ponto ali pelo finalzinho. Em três cenas eu disse: ”Perfeito pode terminar aí”, mas, continuou. Não quero entregar mais spoilers, vai ser uma ótima pedida de DVD para os casais que não tiveram perto da sua casa exibido o filme, e para os solteiros que nem eu que tem um cinema perto de casa que está exibindo o filme, pode ir rapaz, você vai aprender muito, principalmente que Ringo Star é o melhor dos Beatles. Coisa tão óbvia.

4 Comments:

Blogger Sandro Cavallote said...

Esse filme é perfeitinho, cara. Fala mal, não... :)

6:33 PM  
Anonymous QUEIROZ said...

Não que isso, eu me amarrei no filme, é mesmo indefectível. Mas, eu comprei um ingresso de 17:30 e as 19:10 eu iria entrar na sessão de Deixe ela entrar, até por isso achei o filme um tanto longo. Mas, filmaço, Marterpiece do Michael Webb. =)

9:28 PM  
Blogger looT said...

Grande Joseph Gordon-Levitt, grande filme.

8:32 PM  
Anonymous QUEIROZ said...

Joseph é a cara do Heath Ledger não é? E Zooey Deschanel não precisa nem falar, linda demais =)

Valeu Loot

1:15 AM  

Postar um comentário

<< Home