domingo, janeiro 25, 2009

Benjamin Button

by.Queiroz







TEXTO NÃO RECOMENDADO PARA QUEM NÃO ASSISTIU AO FILME.








A cena mais triste do filme é a que se aproxima de sua conclusão, em que a Sr.ª Daisy (Cate Blanchett) olha para os olhos do bebê Benjamin e constata que ele a reconheceu e o mesmo fecha os olhos dando um fim aos seus 80 anos de vida. E que vida ele levou. Navegou, participou de uma batalha em alto-mar, deitou-se com mulheres da vida, amou duas mulheres, uma que adorava a sua companhia, e conversando toda a noite até o amanhecer (Elizabeth - Tilda Swinton) e a outra Daisy (Cate Blanchett) o amor de sua vida, a mulher pela qual ele queria “envelhecer” ao seu lado. Nessa vida ao contrário, Benjamin (Brad Pitt) viu muitos dos seus morrerem “cedo”, ele que foi deixado na porta de um Asilo por seu pai (Thomas Button - Jason Flemyng), sendo acolhido por uma jovem (Queenie -Taraji P. Henson) que não poderia ter filhos, e apesar dele ser diferente, era uma criatura de Deus como qualquer outra. Se você pensar bem pessoas idosas não deixam de voltar a ser crianças de certa forma. Acabam voltando as fraudas de qualquer jeito. E passar os anos e ter a sensação que está mais sadio e mais jovem, não é uma exclusividade da ficção. É engraçado quando o Capitão (Jared Harris) questiona Benjamin se com “todo o seu tempo de vida” nunca tinha conhecido uma mulher e após ouvir a resposta retruca de como aquilo era triste. Tal a intimidade do espectador com a estória, que acaba sendo convencido da virgindade daquele menino velho. Quando ele vai rejuvenescendo e na medida em que chega ao ponto em que a mulheres da sala escura começam a fazer fiu-fiu, você acaba achando que o trabalho de Brad Pitt nessa etapa do filme acabou e que tudo seria mais fácil, e que não haveria mais o porque de ficar envolvido com a estória. Que nada. É triste quando Benjamin chega a conclusão do inevitável após a informação da gravidez de sua amada Daisy, constata que não poderia ter uma vida como a de qualquer pessoa. Que sua velhice precoce, não se comparava ao ardor de sua inevitável juventude, e que não poderia ser pai, e que muito menos poderia fazer sua mulher se tornar a sua mãe. Por isso ele se afasta, vai ver o mundo experimentar as mais diversas sensações, conhecer diferentes povos e cada lugar que ele foi, fazendo questão de enviar uma mensagem a sua filha de como gostaria de estar presente e as lições que a vida estava lhe dando. E Caroline (Julia Ormond) nesse momento em que esta lendo essa parte de seu diário sente vontade de ter conhecido melhor seu pai, e não ter apenas cumprimentado ele uma única vez aos 12 anos. É um filme diferente de outros que eu vi que falam sobre a passagem brusca do tempo. E fiquei atordoado com a imagem do Benjamin aos 12, sem memória, sem novos rumos e evidentemente sem um futuro. Porque se em Click do Adam Sandler e o Homem Bicentenário do Robin Willians, te dão a sensação que ainda dá tempo, nesse você sai da sala com aquela coisa de: ”Eu não fiz nada ainda” ou “Tudo passa rápido demais”. O que eu posso dizer como um alento que o filme não nós dá? Sinceramente, não sei. Prefiro fechar o texto com a clássica frase de John Lennon: “A vida é aquilo que acontece com você, enquanto está ocupado fazendo planos“.

19 Comments:

Blogger Mariana Acaue said...

Olá parceiro...

Preciso muito ver Benjamim Button... Deste fim de semana não passa!

beijocas


Mari

ps. Vc tava no Campus Party?

2:46 AM  
Anonymous QUEIROZ said...

Não, quem dera. Eu só juntei uns videos que achei no YT, para não passar completamente em branco o evento aqui no blog.

Beijos Mariana.

10:29 AM  
Blogger looT said...

De qualquer da maneiras eu gostei do filme e tem momentos lindíssimos.
Gostei particularmente da frase com que fechas o texto.

Abraço

9:25 AM  
Anonymous Mariana Bonfim said...

Olá Queiroz

Assisti ontem a noite O Curioso Caso de Benjamin Button. O filme tem uma pegada existencialista muito forte que me deixou muito balançada...

Agora o próximo da lista é A Troca do titio Clint... já assistiu?

beijocas

Mari

2:18 PM  
Anonymous QUEIROZ said...

Ainda não Mari, mas é possível candidato a próximo da minha lista. Muito embora eu tenha que assistir logo, pois está a um pé de sair dos cinemas.

Beijos Mari.


E Sr. Loot, devo dizer que o John Lennon sabia tudo, ou não.

Valeu.

6:56 PM  
Anonymous Mariana Bonfim said...

Ois Queiroz...

Nem me fale em injustiças da Academia. Já desencanei de torcer e os velinhos darem pra quem não presta. Minha maior raiva nos últimos tempos foi o Oscar pra Crash e não Brokeback Mountain. Confesso que a coisa mais justa q a Academia fez nos últimos anos foi ter dado ano passado o Oscar de melhor canção pra Falling Slowly do filme ONCE.

Bem é isso, é esperar o domingão de Carnaval pra ver!

beijocas

5:38 AM  
Anonymous peter said...

Olá a todos,bom não tenho nem palavras pra dizer o q o filme e a sua história reprensentaram pra mim.Mais tenho certeza em relatar de que benjamim teve uma historia triste e ao mesmo tempo muito milagrosa,porque estava designado a morrer logo porém DEUS deu um longo prazo para ele,e triste porqe ele viu muitas coisas acontecerem e vivenciou muitas delas.
Mais o q mais chamou as atenções foram duas coisas,o amor dele e o exemplo de vida que ele deu para muitos.

8:07 PM  
Anonymous Audrey said...

ASSISTI O FILME ONTEM E ELE DEIXA AQUELA SENSAÇÃO MESMO DE QUE "O QUE EU ESTOU FAZENDO COM A MINHA VIDA?". POR UM MOMENTO SENTI UMA VONTADE DE TAMBÉM PODER ESTAR CADA VEZ MAIS JOVEM AO INVÉS DE ENVELHECER A CADA DIA. MAS DIANTE DE PALAVRAS DITAS COMO AS QUE ELE (BENJAMIN) DISSE PARA SUA FILHA... QUE NUNCA SERÁ TARDE PARA IR ATRÁS DE SEUS SONHOS, ...QUER DIZER QUE MESMO PARA QUEM ESTA REJUVENECENDO HÁ ESTA PREOCUPAÇÃO COM O TEMPO, ESTA INCÓGNITA DE COLOCAR EM DÚVIDA TUDO O QUE FIZEMOS OU O QUE FAZEMOS, SE É O QUE DEVERIAMOS ESTAR FAZENDO, SE FOI DEUS QUE QUIZ ASSIM OU SE AS COISAS ACONTECEM POR NOSSAS ESCOLHAS... ESTA CONFUSÃO NUNCA ACABA, NEM PARA BENJAMIN BUTTON.

1:31 PM  
Blogger Dani said...

O filme é uma reflexão do que fazemos de nossas vidas, quem somos? Como tratamos as pessoas diferentes? se temos tempo? enfim...Gostei muito e o importante ñ é so refletir e sim mudar um pouco a nossa vida e de vez em qdo fazer o contrário da frase acima... Viver e esquecer um pouco esses planos...

2:41 PM  
Blogger Jozeraldo de Souza Pinheiro said...

Caramba Acabei de assistir, gostei mais é muito Forte, principalmente quando se aproxima do fim

3:43 AM  
Blogger nilsão said...

com certeza esse foi o filme que mais me fez pensar sobre a vida,, das surpresas que a vida sempre nos dá, do poder que tem o tempo de transforma a vida seja em qual for a circunstância.

11:35 AM  
Blogger Daiana Azevedo said...

OLÁ MEU AMIGO, ONTEM RESOLVI ALUGAR ESSE FILME NUMA LOCADORA PERTO DA MINHA CASA , GERALMENTE NÃO VEJO FILMES ANTES DE LER O LIVRO MAS DESSA VEZ FOI DIFERENTE . É INCRÍVEL O QUE SENTI ONTEM AS 2 DA MANHA QUANDO O FILME ACABOU , ACORDEI HJ PARA TRABALHAR E RESOLVI PROCURAR ALGO NA INTERNET QUE DESCREVESSE O LIVRO E NÃO ENCONTREI NADA INTERESSANTE COMO O SEU ,CREIO QUE TIVEMOS A MESMA SENSAÇÃO , BEIJAMIM PODERIA SIM TER SE TORNADO UM HOMEM LINDO , COM UMA MULHER LINDA , TIDO UMA FAMÍLIA E PARADO POR AI , MAS O AUTOR QUIZ MAIS , AO INVÉS DISSO NOS MOSTROU COMO PODE SER DIFÍCIL NÃO VIVER O TEMPO COMO ELE É , AS COISAS SÃO PERFEITAS COMO DEUS FEZ E NÃO DEVEM MUDAR , AGORA INTENDO E ACEITO COM MAIS EXATIDÃO O ENVELHECER , TUDO TEM SEU TEMPO , SE NÃO FOSSE DESSA MANEIRA SOFRERÍAMOS , COMO BEIJAMIM SOFREU , AMIGO ESTE FILME ME IMPRESSIONOU E PARABÉNS PELA CRÍTICA , REALMENTE DISSE TUDO O QUE EU PRECISAVA ENCONTRAR , PARECE QUE NÃO FOI SÓ A MIM QUE O FILME IMPRESSIONOU E FEZ SENTIDO .

8:24 AM  
Blogger brenda penedo said...

tambem asistir ontem o filme mais me sentir como se fosse fazer parte do filme pois medeu varias ideias me fez entender o guanto devemos dar valor a vida eu so tenho 14 anos de idade mais podemos dizer que eu tenho uma longa vida pela frente mais nao sei o que pode aconter-se. sei que a um dia depois de amanha o que eu nao sei e se vou estar nele.

11:15 AM  
Anonymous Anônimo said...

poxa assistir ontem esse filme,tirei proveito ,pois minha mãe está com 82 anos e a mais ou menos uns 4 anos tem tido comportamentos que as vezes é difícil de entender e lidar ,mas esse filme me fez entender melhor o que acontece com ela,Deus falou ao meu coração e me levou a fazer uma pequena comparaçãoem relação as atitudes dela,na verdade ela e muitos outros que vão chegando a essa faixa de idade ,voltam a sercriança.Talvez agora eu a veja de maneira diferente ,entendendo-a melhor.meu entendimento se abriu mais.beijos

12:01 AM  
Anonymous QUEIROZ said...

Viva despreocupada Brenda com o futuro, viva o presente com responsabilidade. Amigos, segredo da vida.


Beijos

12:36 AM  
Anonymous QUEIROZ said...

E Anônimo, realmente é verdade, o velhinho mesmo volta a ser criança até no temperamento. =)


Valeu

12:39 AM  
Anonymous Anônimo said...

Chorei

,

1:06 PM  
Anonymous Anônimo said...

Realmente este filme abrange uma questão extremamente complexa....o passar do tempo e suas consequências....
Como é importante vivermos o dia a dia e que estarmos juntos de pessoas que amamos é essencial...pois o amanhã ainda não chegou e o ontem....já passou!

12:31 PM  
Anonymous Anônimo said...

Nossa!!!
Fiquei chocada, encantada e ao mesmo tempo comovida com a linda história interpretada por Brad Pit.

2:12 AM  

Postar um comentário

<< Home