domingo, agosto 14, 2011

Super 8

by.Queiroz



É complicado quando o pano de fundo de uma estória se torna mais interessante que a própria estória em si. E simplesmente é o que acontece com Super 8. A ambientação no final dos anos 70, (aliais uma especialidade da equipe de JJ Abrams perceptível desde a série Lost, relativa a ambientações de época), com direito a easter eggs de Star Wars e uma capa de uma revista da Detective Comics com o Coringa e Batman na capa, o surgimento dos primeiros walkman, e com direito a Blondie, e o relacionamento das 6 crianças do filme: Joe Lamb (Joel Courtney), Alice Dainard (Elle Fanning), Charles Kaznyk (Riley Griffiths), Cary (Ryan Lee), Martin (Gabriel Basso), Preston (Zach Mills), são muito mais interessantes do que trama governamental/alienígena que JJ Abrams queira contar. Mas, o filme, é claro, tem seus momentos charmosos, como por exemplo, a cena em que Alice e Martin ensaiam com um suposto figurante, e Alice consegue impressionar transmitindo toda a emoção que a cena lhe exigia. E sem dúvida Ellen Fanning faz bonito tanto sendo a mocinha do curta O Caso, quanto nas situações difíceis encaradas por Alice, como o seu relacionamento conturbado com seu pai. É muito legal a cena em que Joe orienta Alice a como atuar como uma zumbi, e este com um olhar fascinado a vê se aproximando com os trejeitos de zumbi, até que esta inadvertidamente beija o seu pescoço. E falando dos pontos em comum entre Joe e Alice, realmente o filme cai no velho clichê de que para ter crianças partindo para uma grande aventura, deve-se por sua vez anular a figura dos pais, e um dos caminhos mais fáceis para isso é torna-lós órfãos. É sem dúvida tocante a cena em que assistindo um vídeo numa super 8, Joe se ve junto a sua mãe em tenros momentos de sua infância, e Alice fica triste por um suposto acidente que envolveria seu pai. E sem sobra de dúvida Joe lembra em muito Elliot de ET, O extraterrestre, e o Super 8, no que tange o lado homenagem ao estilo do mestre Spilberg, se sai muito bem, mas no que se trata de contar uma nova estória que impressione, fica muito aquém. O monstro da expectativa realmente foi criado com o ótimo teaser trailer da criatura amassando a porta de metal por dentro, o que é decepcionante no filme, que a cena é feita do ângulo de Joe. E muito mais decepcionante quando finalmente vemos a criatura. Aliais eu já devia saber que JJ Abrams + Monstros = Decepção, e isso sempre. Antes tivesse escolhido zumbis, pois o filme ganharia um tom de surrealidade bem mais interessante.


Super 8 em si merece apenas Um Ingresso, mas o curta exibido nos créditos O Caso merece Três Ingressos, no fim das contas Super 8...

VALEU DOIS INGRESSOS

Marcadores:

4 Comments:

Blogger Marcel Camp said...

Aquele curta dos zumbizinhos nos créditos finais, ficou bem engraçado mesmo!!! rsrs

4:18 AM  
Blogger Queiroz said...

Aquela cena me lembrou Rebobine, por favor, parece que a construção do que seria o curta no filme foi mais bem sucedida que a trama si. Até o Pablo Villaça, achou isso. =P

Valeu Marcel

8:42 AM  
Anonymous Anônimo said...

a historia desse filme parece ser muito boa!e só pra ver a linda e talentosa Elle fanning já vale a pena ter comprado o ingresso do filme!!Marcos Punch.

3:00 AM  
Blogger Dowglasz said...

Só eu senti semelhanças entre Super 8 e Transformers?

Colocando os enredos em ordem cronológica, talvez as crianças de Super 8 tenham descoberto segredos que os USA escondem até hoje através de "teorias da conspiração +ufologia" e 'explodiram' em Transformers.

Bem do tipo: eu avisei, eu avisei, eu passei anos avisando. Agora eu sou um velho maluco, meus filhos pensam que surtaram de tanto trabalhar e meus netos acham que é uma bela aventura pra matar o tédio.

4:18 PM  

Postar um comentário

<< Home